Astronomia Hands-On – Descobrir o Cosmos (2013/2014)

Acção creditada pelo CCPFCdescobrir_o_cosmos

Acção de formação para professores:

O curso decorre no Centro de Interpretação Ambiental da Pedra do Sal em S. Pedro do Estoril e conta com o apoio da Câmara Municipal de Cascais. São 9 sessões, ao sábado,  uma duração de 2,5 a 3 horas nas seguintes datas e horas: 2013: 12 Out. (15h), 9 Nov. (10h) e 14 Dez. (15h). 2014: 11 Jan. (15h), 8 Fev. (15h), 1 Mar. (15h), 22 Mar. (15h), 5 Abr. (10h) e 3 Mai. (15h). Registo nº: CCPFC/ACC-69425/12        Validade:  2015-02-03 Área de Formação: A          Formação Contínua, Curso de formação Nº total de horas: 25     Créditos 1 Código Área: A06 – Astronomia Código Destinatários: 14 – Professores dos Ensinos Básico e Secundário A presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário de acordo com o artigo 5º do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores e não releva para a progressão em carreira para efeitos de aplicação do nº 3 do artigo 14º do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores. Propina de participação:  50 EUR (este preço é especial por estarmos a oferecer o curso no âmbito do projecto OPEN DISCOVERY SPACE) Entidade Formadora: NUCLIO-Núcleo Interactivo de Astronomia (CCPFC/ENT-AP-0342/13 – válido até 24/01/2016) Local: Centro de Interpretação da Pedra do Sal – S. Pedro do Estoril Informaçõesgeral@nuclio.pt

Objectivos a atingir

Com este curso pretende-se que os professores solidifiquem conceitos e conhecimentos fundamentais de Astronomia, tendo em conta as matérias curriculares dos programas escolares, através de recursos práticos. Os professores devem ficar a dominar os recursos de forma a poderem utilizá-los na sala de aula, adaptados à faixa etária dos seus estudantes. Pretende-se ainda que os professores tomem conhecimento de projectos de investigação em curso, nos quais as escolas podem participar. Os professores devem ficar aptos a participar nestes projectos e espera-se que o façam com os seus alunos.

REGIME DE AVALIAÇÃO DOS FORMANDOS

A ação de formação é objeto de avaliação qualitativa e quantitativa. A escala de avaliação quantitativa é de 1 a 10 valores, sendo a avaliação considerada positiva se for igual ou superior a 5 valores. A escala de avaliação qualitativa relaciona-se com a escala de avaliação quantitativa da seguinte forma: Excelente – de 9 a 10 valores; Muito Bom – de 8 a 8,9 valores; Bom – de 6,5 a 7,9 valores; Regular – de 5 a 6,4 valores; Insuficiente – de 1 a 4,9 valores. A avaliação dos formandos será feita tendo em conta a assiduidade do formando e a realização de um trabalho. Assiduidade (30%): a um número de faltas igual ou inferior a 3 horas é atribuída a classificação de 10 valores; a um número de faltas igual a 4 horas é atribuída a classificação de 9 valores; a um número de faltas igual a 5 horas é atribuída a classificação de 8 valores; a um número de faltas igual a 6 horas é atribuída a classificação de 7 valores; a um número de faltas igual a 7 horas é atribuída a classificação de 6 valores; a um número de faltas igual a 8 horas é atribuída a classificação de 5 valores; um número de faltas superior a 8 horas (um terço da duração do curso), determina automaticamente a não aprovação do formando não havendo lugar nem à atribuição de créditos nem à respectiva certificação. Realização de um trabalho (70%): elaboração de um plano de aula sobre um tema curricular da área de ensino do docente em que é utilizado um dos recursos computacionais abordado no curso. Este trabalho será avaliado quantitativamente de 1 a 10 valores tendo em conta a clareza, o rigor, a criatividade e a adequação da aula. A classificação final é a média ponderada da avaliação da assiduidade, 30%, e da avaliação do trabalho, 70%.

INSCRIÇÕES

Através deste formulário.

PROGRAMA

  • 12 Outubro 2013 – Apresentação; Recursos computacionais na sala de aula: software planetário
  • 9 Novembro 2013 – Investigação científica na sala de aula: o programa de descoberta e estudo de asteroides International Asteroid Search Campaign
  • 14 Dezembro 2013 – Recursos não computacionais na sala de aula: fases da Lua e de Vénus; constelações 3D
  • 11 Janeiro 2014 – Metodologia IBSE (Inquiry Based Science Education); projetos europeus Open Discovery Space, Go-Lab
  • 8 Fevereiro 2014 – Recursos computacionais na sala de aula: processamento e análise de imagens com o SalsaJ
  • 1 Março 2014 – Recursos computacionais na sala de aula: observação com telescópios robóticos; projeto Sun4All
  • 22 Março 2014 – Recursos não computacionais na sala de aula: calculadora planetária; espectroscópio caseiro
  • 5 Abril 2014 – Investigação científica na sala de aula: deteção de planetas extra-solares
  • 3 Maio 2014 – Construção de cenários com metodologia IBSE; avaliação do curso e encerramento
 

Comments are closed.